Herpes zoster: saiba como essa doença afeta qualidade de vida dos idosos

Também conhecido como cobreiro, o herpes zoster é uma doença infecciosa causada pela reativação vírus varicela-zóster, o mesmo que causa catapora. Os idosos são os mais afetados pela doença.


Herpes Zoster, também conhecido como cobreiro

Uma doença aparentemente inofensiva, mas que se não for diagnosticada e tratada a tempo, pode causar danos irreparáveis à saúde do indivíduo. Essa doença é o herpes zoster, que causa vermelhidão e erupções na pele, além de coceira, sensibilidade e dor local.


Apesar de atingir grande parte da população idosa, o herpes zoster ainda é pouco conhecido. Cabe ressaltar que quem já teve catapora (mesmo quando criança), corre maior risco de desenvolver a doença, já que o vírus varicela-zóster fica adormecido no organismo.


Portanto, ficar alerta aos primeiros sinais da doença é a melhor maneira de ter acesso a um tratamento precoce e assim, evitar que ela provoque sequelas.


Herpes zoster: principais sintomas


Alguns sintomas como dores de cabeça, mal-estar, febre e sensibilidade à luz podem preceder o aparecimento das erupções. É chamada de fase de incubação da doença.


Em seguida, já na fase de manifestação, aparecem as lesões na pele, que na fase inicial tendem a ser confundidas com picadas de mosquito ou alergia. Entretanto, essas erupções são acompanhadas por dores descritas como “agulhadas penetrantes”, coceiras e queimação.


Além disso, é bom observar que as erupções geralmente afetam apenas um lado do corpo, o esquerdo ou o direito.


A doença geralmente afeta apenas um dos lado do corpo.

Herpes zoster: como é feito o diagnóstico da doença?


Baseado no histórico de sintomas acima, um médico dermatologista, clínico geral ou geriatra realiza o diagnóstico da doença. Além do exame clínico, que é baseado nos sintomas relatados pelo paciente, uma raspagem da área afetada para análise laboratorial poderá ser solicitada.


O ideal para evitar complicações é que a doença seja diagnosticada em até 72 horas após o aparecimento dos sintomas.


Quais são as complicações da doença?


Entre as complicações mais comuns podemos destacar a NPH (neuralgia pós-herpética), que consiste em uma dor crônica que pode durar de meses a anos.


Além da dor, a neuralgia pós-herpética (NPH) pode causar grande impacto negativo na qualidade de vida dos idosos, já que os sintomas, que também podem causar queimação e sensibilidade ao toque, atrapalham as atividades rotineiras do indivíduo, como por exemplo dormir e realizar tarefas domésticas.


Em casos mais graves, a neuralgia pós-herpética pode levar o mais velho ao isolamento social, depressão e até mesmo ao óbito.


Quais são as causas do herpes zoster em idosos?


Não se sabe ao certo o que motiva a reativação do vírus varicela-zóster no organismo de pessoas com mais de 50 anos. Entretanto, a principal causa da doença é atribuída à baixa imunidade, tão comum em pessoas mais velhas. Contudo, além do fator idade, outros fatores de risco também devem ser considerados:


  • Pessoas portadoras de HIV e câncer, já que são doenças que prejudicam o sistema imunológico;

  • Uso de medicamentos que podem reduzir a imunidade do organismo;

  • Tratamentos para doenças autoimunes à base de imunossupressores.


Herpes zoster tem cura? Tem tratamento?


O herpes zoster é considerado uma doença crônica, que não tem cura. Entretanto, a enfermidade tem tratamento. Veja a seguir os mais comuns:


  • Para reduzir a intensidade e a duração das lesões: antivirais como Aciclovir, Fanciclovir e Valaciclovir;

  • Medicamentos para prevenir as infecções das lesões;

  • Analgésicos para aliviar a dor;

  • Compressas locais para aliviar o ardor, dor e coceira.


As lesões na pele começam a desaparecer em torno de sete dias. Esse é um processo um pouco longo, que pode durar entre duas e quatro semanas para desaparecerem por completo. Em alguns casos, pode acontecer a pigmentação da pele, caracterizada pelo escurecimento das áreas afetadas pelas bolhas. E muita das vezes, esse é um dano permanente.


Como prevenir o herpes zoster?


De acordo com a Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG), a única maneira de prevenir o herpes zoster é através da vacina. Ela é administrada em dose única e está disponível para quem tem mais de 50 anos.

Entretanto, infelizmente a vacina contra o herpes zoster não está disponível no SUS (Sistema Único de Saúde). Assim, quem deseja se prevenir contra a doença precisa desembolsar cerca de R$ 500,00 pela dose da vacina. E o alto custo da imunização acaba inviabilizando a prevenção de muitas pessoas.


Assim, se você tem mais de 50 anos e possui algum recurso financeiro, não deixe de se vacinar contra o herpes zoster. Afinal de contas, os idosos possuem maior probabilidade de sofrer com a reativação do vírus varicela-zóster e com as complicações decorrentes da doença.


Fique por dentro


  • O herpes zoster é uma doença crônica, ou seja, não tem cura. Entretanto, a enfermidade tem tratamento;

  • A única forma de se prevenir contra a doença é através da vacina;

  • Quando diagnosticada a tempo (até 72 horas após o aparecimento dos sintomas), a doença não oferece riscos à saúde;

  • A vacina contra catapora, administrada ainda na infância, pode reduzir os riscos de uma pessoa desenvolver o herpes zoster na fase adulta;

  • A doença também está ligada aos riscos de doenças cardiovasculares, como AVC e infarto;

  • O herpes zoster é uma doença recorrente, ou seja, pode voltar. Isso porque o vírus, que permanece inativo no organismo é reativado quando a imunidade está baixa;

  • Apesar de não ser tão comum, uma pessoa com um quadro de herpes zoster pode transmitir o vírus para outra pessoa que ainda não tenha tido catapora. A transmissão é feita através do contato direto com as erupções na pele. Assim, a pessoa contagiada poderá desenvolver inicialmente um quadro de catapora. Mais tarde, poderá ser acometida pelo herpes zoster;

  • As regiões mais afetadas pela doença são as costas, tronco ou o rosto. No caso do rosto, pode haver lesão do nervo óptico.


Como você pode observar acima, a melhor forma para obter um diagnóstico precoce de herpes zoster e iniciar imediatamente o tratamento é conhecer os principais sintomas da doença.


E você, já teve herpes zoster? Conhece alguém que teve? Então conta para a gente nos comentários como foi essa experiência e quais foram os tratamentos recomendados pelos médicos!


Fontes:

http://www.sbd.org.br/dermatologia/pele/doencas-e-problemas/herpes-zoster/97/

http://www.sbgg-sp.com.br/pub/herpes-zoster-afeta-qualidade-de-vida-dos-idosos-e-pode-matar/


100 visualizações